Na cozinha: Pizza sem carboidrato

Quem disse que se você está numa dieta de proteínas precisa ficar só no frango grelhado e  ovo cozido?
Garimpando pela internet você consegue achar diversos sites com dicas e mais dicas de receitas low carb especialmente para quem está de dieta =)
A receita de pizza low carb (baixo carboidrato) é ótima e eu faço há tempos.

Pizza sem carboidratos

Se joga no cozinha!!!

Massa:

  • 2 ovos
  • 1 pacote de gelatina sem sabor
  • 4 colheres de sopa de água
  • 100 ml de creme de leite
  • 50gr de queijo ralado
  • 1 colher de sopa de farinha de soja
  • sal

Junte tudo e coloque no liquidificador até formar uma massa uniforme, espalhe numa forma e leve ao forno pré-aquecido a 180°C e deixe por 10 minutos ou até ficar levemente dourada. (Dica: cubra a forma com um papel manteiga)
Tire do forno e coloque em cima 3 colheres de molho de tomate (procure na embalagem aquele que tem a menor quantidade de carboidratos, eu compro o Salsareti, em 3 colheres tem apenas 2,3g).
O recheio fica por sua conta. Adoro berinjela com pimentões e lascas de queijo mozarela

Leve ao forno por mais 5-10minutos, até derreter bem o queijo e prontinho, uma deliciosa pizza low carb.

Beleza na pele: Protetor solar

Não sei vocês, mas eu não sou do tipo muito fiel a ritual de beleza, nem sempre me lembro de tirar a maquiagem, nem sempre passo o hidratante no corpo, esqueço a máscara facial e de cabelo, saio sem maquiagem com frequência absurda, mas nunca (eu disse NUNCA MESMO) esqueço meu protetor solar.

Adquiri o hábito do protetor solar diário muito cedo, aos treze anos, eu acompanhei o sofrimento da minha avó com um câncer de pele, benigno por sorte, mas muito traumatizante porque ela ainda sofreu com recidivas (quando a doença volta atacar).

A doença dela me serviu de alerta muito cedo, cuidar com a exposição solar em excesso (praia, piscina e afins) e não descuidar da proteção. Na época, protetor facial era ‘melequento’, oleoso e lembro ser super difícil de achar fora do verão. Hoje temos uma maravilhosa gama de produtos para cada tipo de pele, bolso e gosto. Com cheiro, na base, incolor, hidratante, anti-idade, oil-free, etc.

Eu geralmente uso dois tipos, o meu comum do dia a dia, FPS 15, leve, oil-free e anti-idade (ééé minha gente, tô quase nos trinta) e outro quando vou me expor ao sol com mais intensidade, como pedalar no parque ou ir à praia, então eu uso um produto com FPS mais alto entre 30 a 50.

Já comprei, usei e gostei: Minesol da ROC, Epidrat da Mantecorp, Derma-Genesis Dia da L’Oreal, Capital Solei da Vichy, Nivea Sun da Nivea (há!) e Hidrafil da Stiefel.

 

Além da proteção contra doenças relacionadas ao excesso de sol, o protetor solar também oferece uma ajudinha contra o envelhecimento, sim, ele protege e muito, principalmente para aquelas que gostam de “lagartear” no sol por horas a fio, sol envelhece e muito viu?!

Prova disso é aquela foto do homem que trabalhava como caminhoneiro e por conta disso pegava sol apenas no lado esquerdo do rosto, a diferença é gritante! Agora, se você não usa protetor porque se acha muito nova para se preocupar com rugas, que tal colocar a foto deste senhor no espelho do banheiro?!  #sustomatinal

 

Desafio da vida agora é fazer o meu marido usar protetor solar sem fazer cara feia, beijosamor!!

Alergia a esmalte

Apesar de adorar esmaltes, no ano passado eu descobri que esse artigo de beleza tão simples pode ser um grande vilão.
A minha alergia ao esmalte foi descoberta após um mês do primeiro sintoma aparecer, acordei com uma pequena coceira na pálpebra direita. Passei uma “pomadinha” calmante e sumiu. Alguns dias depois esse desconforto voltou a aparecer, em várias partes do meu rosto, principalmente nas regiões onde se tem mais contato com as mãos.
Depois de dias esperando para conseguir consulta com dermatologista, mais alguns dias esperando resultados de exames, conformado, tenho alergia ao tolueno e ao formaldeído, dois químicos que se encontram na maioria das fórmulas dos esmaltes.
Para conseguir identificar se você é alérgica, aqui estão os sintomas mais comuns
  • Sensibilidade nas regiões de contato mais comum no rosto como olhos e nariz.
  • Irritação frequente com coceira e vermelhidão. em casos mais graves é possível edema(inchar) na região
  • Ressecamento ou “descolamento” de cutícula
  • Sintomas diminuem gradualmente ao retirar o esmalte.
O tratamento foi passar uma pomada específica todos os dias e ficar pelo menos um mês sem maquiagem e sem esmalte 😦
Calma, não é fim do mundo. hoje existem várias marcas que já possuem um linha antialérgica de esmaltes 3-free ou seja livres de formaldeído, tolueno e DPB. #ficadica
Depois de controlados todos os sintomas voltei a usar os meus cremes e makes normalmente, mas tive que escolher com mais cuidado os esmaltes, para quem sofre do mesmo mal como eu, segue a lista dos meus eleitos.
Esmaltes para alérgicos
#1 Colorama: Boa opção nacional, foi uma das primeiras marcas a disponibilizar toda a linha livre de tolueno e formaldeído. Baratinho e com duração razoável.
#2 MakeB – OBoticário: A duração é excelente e as cores lindas, mas a tabela de cores é limitadíssima.
#3 Risqué Hipoalergênico: Agora que eles aumentaram as cores oferecidas, é uma boa opção.
#4 Argento: De duração razoável e cores bonitas mas tem um grande defeito, é difícil de encontrar.
#5 Impala Hipoalergênico: A duração é boa e as cores estão muito bonitas, mas precisa de um pouco de novidade.
#6 Bourjois: Importado, mais caro que os anteriores, mas é o meu queridinho. Tem cores lindas e a duração é excelente.
#7 Revlon: Fácil de encontrar e tem o valor muito próximo de alguns nacionais. Muita opção de cor e a duração dele é boa.
#8 Priti: Esmalte com ingredientes orgânicos e selo vegan. As cores são divinas, mas a duração é razoável.
#9 Mavala: Melhor paleta de cores ‘EVER’, duração excelente mas muito caro.
Para ficar ligada: a alergia ao esmalte pode acontecer com qualquer pessoa, mas as chances são maiores naqueles que já sofrem com outras alergias, como alergias a bijuterias, insetos etc. Os sintomas são discretos na maioria das vezes e somem rapidinho com o tratamento correto.
Para ficar ligada²: A maioria dos esmaltes americanos e europeus são livres desses químicos, mas já me deparei com marcas que contém ‘traços’, então sempre leia as informações contidas nas embalagens.